Eleições 2020: vale a pena fazer transmissão ao vivo?

Como fazer transmissão ao vivo como Bolsonaro e ser eleito vereador
Descubra os segredos para fazer transmissão ao vivo nas redes sociais, dialogar com seu eleitor visando 2020 e ganhar uma eleição com pouco dinheiro!

Desde a sua posse em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro instituiu, quase como uma agenda oficial de chefe de Estado fazer transmissão ao vivo ou a chamada live, sempre nas noites das quintas-feiras.

Acompanhado de um ou mais ministros ou apoiadores de seu governo, Bolsonaro fala sobre os mais diversos assuntos em lives que chegam a durar mais de uma hora.

Um levantamento do jornal Estadão que em três meses, o presidente fez quase 10 horas de transmissões ao vivo em suas redes sociais e o assunto mais falado foi, surpreendentemente, o tema da pesca que tomou mais de 45 minutos das 25 lives feitas no período.

Sem uma estrutura profissional, com imagem de baixa qualidade, feitas com um smartphone, Bolsonaro atrai milhares – ou milhões – para suas transmissões ao vivo.

Um estudo apresentado em abril, World Leaders on Facebook, colocou Bolsonaro a frente de Donald Trump como o líder mundial com a maior base de seguidores ativos e maior engajamento.

Se Bolsonaro pode fazer transmissão ao vivo, todo mundo pode?

Primeiro de tudo é preciso entender que fazer uma Live ou fazer transmissão ao vivo não se trata de um ambiente controlado. Por mais que exista um roteiro pré-determinado, por ser ao vivo, muitos problemas inesperados podem surgir.

Bolsonaro mesmo, por conta de falas ou assuntos, já virou memes e esquetes de programas humorísticos por conta de suas Lives.

Por isso, é importante saber se o candidato está preparado, tem domínio do tema (ou a pauta), se manterá alinhado dentro de, no mínimo, o pré-roteiro e se tem capacidade de manter a atenção das pessoas para que continuem na transmissão ao vivo.

Sem isso, não vale a pena apertar o botão e iniciar a Live.

Então como e se vale a pena fazer transmissão ao vivo?

Vale a pena sim, mas como tudo na comunicação, não se trata de algo trivial, que deve ser feito todos os dias, para todos os momentos e sobre qualquer tema. Primeiro, porque vai gastar munição e segundo, porque não vai ser novidade, perdendo relevância, que é o foco nas redes sociais.

Quem deseja fazer relatos em tempo real de eventos e agendas pode utilizar os Stories do Facebook e Instagram para isso.

Com tantas dúvidas, separei 3 itens a serem checados para fazer uma boa transmissão ao vivo de um candidato para fortalecer sua comunicação com os eleitores:

1) Tenha, no mínimo, um pré-roteiro

Antes de fazer a live, o candidato precisa saber sobre o que quer falar, a pauta ou as pautas, qual será o norte do que vai falar, o posicionamento adotado e de preferência, quais palavras usar ou não usar para a transmissão ao vivo não ser utilizada contra ele.

2) Do nada não!

O ideal é que as lives tenham periodicidade, até mesmo para formação de audiência. Ou seja, que as transmissões ao vivo aconteçam nos mesmos dias e horários sempre. Melhor ainda se houver espaços regulares entre uma live e outra. Mais de uma live por dia, só em caso de guerra mundial.

Outra ação indispensável é esquentar o público para a live. Por mais que o Facebook avise os seguidores quando uma página está fazendo uma transmissão ao vivo, o ideal é anunciar com antecedência sobre data e horário. Se possível, até sobre o tema para atrair mais interessados no assunto.

Se não der para avisar com antecedência, o ideal é não iniciar a live em si assim que iniciar a transmissão. Deixe o Facebook enviar a notificação, “enrole” no início da live para que outras pessoas possam entrar e aí sim, fale sobre a pauta ou tema.

As pessoas não costumam continuar em transmissões ao vivo que já perderam parte do que está sendo tratado.

3) Sem estrutura, sem live

Apesar de Bolsonaro fazer suas lives com baixa qualidade de imagem, com cenários nada profissionais, nunca lhe faltou internet e conexão.

Transmissões ao vivo feitas com conexões de internet de baixa velocidade tendem a cair muito e as quedas de transmissão tiram a atenção e o interesse da audiência.

Baixa qualidade ou baixo orçamento também não significa sem luz, onde não é possível sequer enxergar o candidato. Como lives granulam mais a imagem, que perde qualidade, uma boa luz é indispensável. Pelo menos, o público merece saber quem está falando do outro lado.

Leia outros artigos sobre marketing político para vereador e tenha ideias de marketing para campanha política

Como montar um discurso de vereador vencedor em 3 passos?

Como se eleger vereador em cidade pequena com 3 dicas

Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro no Facebook?

3 motivos para usar o WhatsApp Business na sua campanha

3 ideias de posts para fazer marketing político no Facebook

Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro com 6 aplicativos?

3 ideias de marketing para campanha política no Instagram

3 ferramentas Google para ganhar uma eleição com pouco dinheiro?

2 dicas de Marketing Político candidatos de oposição e de situação nas eleições de 2020

5 erros do papel do vereador no marketing político da campanha

5 dicas para fazer um planejamento estratégico para campanha política

A eleição de 2020 já começou e você não percebeu

Como encontrar eleitores para a campanha de vereador

Marketing Político nas redes sociais: como criar e gerenciar páginas de candidatos?

Marketing Político: melhores posts para candidatos nas redes sociais

Quais são os melhores cursos de marketing político do Brasil?

Qual a diferença entre marketing político e marketing eleitoral?

Conheça os melhores profissionais do marketing político do Brasil

Marketing Político e Marketing Eleitoral: Qual a diferença?

Marketing Político no WhatsApp: como se comunicar com os eleitores?

Sobre Lucas Pimenta 33 Artigos
Lucas Pimenta é jornalista formado pela Universidade Anhembi Morumbi e com especialização em Marketing Político e Campanhas Eleitorais pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Trabalha na Câmara Municipal de São Paulo, atuou ainda na Secretaria Executiva de Comunicação da Prefeitura de São Paulo e na Secretaria Estadual da Segurança Pública de São Paulo. Foi repórter ainda em jornais como Metrô News, Folha Metropolitana e Agora São Paulo.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Marketing Político no Facebook: fale mais do eleitor, menos do candidato
  2. Como ganhar uma eleição para vereador com pouco dinheiro?

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*