Impulsionamento na campanha eleitoral: aprenda em três passos

É impossível fazer Marketing Político Digital sem pensar em estratégias de impulsionamento na campanha eleitoral. Sem investir em anúncios, o candidato não falará com ninguém.

Isso porque as redes sociais entregam, de forma orgânica e gratuita, os conteúdos de uma página somente para um percentual pequeno de seus seguidores.

Ou seja, se uma página conta com 10 mil seguidores, seus conteúdos serão entregues para menos de 1.000 deles, ou seja, ninguém.

A única forma de romper essa bolha está no investimento em anúncios e impulsionamentos, o que é permitido pela legislação eleitoral, inclusive, na pré-campanha desde 2018.

Com apenas R$ 1, você é capaz de alcançar, dependendo do público e objetivo da campanha, mais de 1.000 pessoas. Ou seja, é barato e eficiente.

Mas, por conta de restrições do próprio Facebook, não basta apertar em “Turbinar a publicação” e deixar rolar. Alguns passos, inclusive para o cumprimento das leis e prestações de contas de campanha, são exigidas.

Autenticação para impulsionamento na campanha eleitoral

Todo gestor de anúncios, ou seja, não só o candidato, mas também seus assessores precisam autenticar seus perfis para ter autorização para veicular anúncios eleitorais.

Essa mudança veio a partir de junho de 2020, exigida pelo próprio Facebook. Isso significa que todas as pessoas que forem gerir anúncios relacionados a política, mesmo na pré-campanha, precisam enviar documentos ao Facebook comprovando que são pessoas reais.

Rótulo de identificação

Todas as páginas, ou seja, candidatos que forem veicular anúncios políticos precisam ter um rótulo de identificação financeira.

Ou seja, esse rótulo vai acima dos anúncios, mostrando o nome de quem pagou por aquele anúncio ou o responsável legal.

Se for na pré-campanha, o rótulo utilizado é o Pago Por. Na campanha, o Propaganda Eleitoral.

No caso da pré-campanha, os dados que devem ser inseridos são os pessoais do candidato ou dono da página, como nome e CPF. Na campanha, o CNPJ e Razão Social da campanha.

Somente anúncios políticos com rótulo podem ser veiculados. E somente perfis autenticados podem criar rótulos.

Configuração da conta de anúncios

Além dos dois primeiros passos, é preciso configurar a conta de anúncios que será utilizada, preenchendo as informações dela, desde a forma de pagamento até os dados.

Isso é muito importante, pois os dados que constarão lá é que irão para a nota fiscal, que depois, na campanha, será apresentada ao TSE.

Se os dados não estiverem em conformidade, o candidato poderá ter problemas na prestação de contas de campanha.

Mais que isso, a forma de pagamento escolhida também influencia e muito nisso, afinal, o ideal é que o pagamento seja por boleto, em especial, na campanha eleitoral para facilitar essa prestação de contas.

Como fazer tudo isso?

Fiz um vídeo para o meu canal do YouTube onde mostro passo a passo, com exemplo na tela, somente para você copiar e reproduzir o que ensino e conseguir fazer o impulsionamento na campanha eleitoral.

Mais detalhes além dessa aula, você pode aprender em meu curso “Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro? 2.0”

Matricule-se no melhor curso de Marketing Político do Brasil!

Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro? 2.0 está com inscrições abertas!
Curso