Quem são os políticos mais influentes nas redes e como se inspirar para 2020?

Joice Hasselmann e Gleisi Hoffmann, mesmo com posicionamentos diferentes, estão no ranking dos 20 políticos com mais influência nas redes sociais em 2019
Conheça quem são os políticos mais influentes nas redes sociais e como usar as estratégias deles para ganhar uma eleição com pouco dinheiro

A segunda edição do estudo FSBInfluênciaCongresso 2019 ranqueou quais foram os parlamentares brasileiros com mais influência nas redes sociais entre abril e maior de 2019. O primeiro lugar, pela segunda vez consecutiva neste ano, foi da líder do governo, deputada Joice Hasselmann (PSL).

Dos 20 deputados e senadores nos primeiros lugares do ranking, o partido de Jair Bolsonaro, o PSL conta seis nomes no ranking e lidera, mas a oposição ao presidente, com PT, Psol e PCdoB contam também com seis.

Assim, o levantamento mostra a polarização do discurso político no Brasil e como parlamentares com discursos mais contundentes e segmentados acabam atraindo mais atenção do público nas redes.

Por exemplo, o levantamento mostra ainda que as bancadas do PSL e do PT também foram as mais atuantes nas redes, reforçando assim, a ideia da polarização como eixo de sucesso para comunicação política.

Partidos de centro, de narrativas menos verticais não aparecem no ranking. Dos 20 primeiros lugares do ranking, 15 são ocupados por deputados federais e só cinco por senadores.

O estudo FSBinfluênciaCongresso monitorou as publicações dos parlamentares, de 1º de abril a 31 de maio, capturando e analisando o grau de engajamento de todas as publicações feitas no Facebook, Instagram e no Twitter.

Veja o ranking dos 20 políticos brasileiros mais influentes nas redes sociais:

Saiba quem são os políticos brasileiros com maior influência nas redes sociais em 2019

Com base nesses resultados, separei três dicas para inspirar sua comunicação de campanha para ganhar uma eleição com pouco dinheiro em 2020.

1) Político não pode ficar em cima do muro nas redes sociais

Um dos pontos mais convergentes do ranking, seja para políticos de Direita ou de Esquerda é que são pessoas de posicionamentos contundentes. Com exceção ao deputado Tiririca, todos são conhecidos por defenderem posicionamentos segmentados, de acordo com seu público e sem rodeios.

Política não gera interesse nas redes sociais e se o conteúdo não causar identificação no público, menos ainda. Por isso, é muito importante que o político ou candidato conheça seu público e diga não só o que ele quer ouvir, mas também o que gostaria de falar.

2) Crie sua identidade política e não copie

No ranking existem políticos de Direita e Esquerda. Parlamentares ligados a militares, sindicatos, movimentos de rua ou digitais. Cada um com seu estilo próprio de comunicação e uma narrativa diferente, com elementos próprios, que contam sua trajetória e objetivos de forma única.

Por mais que as pessoas encontrem semelhanças entre Joice Hasselmann e Eduardo Bolsonaro, por exemplo, a comunicação e a narrativa deles é bem diferente. Até mesmo, em relação a posicionamentos sobre alguns temas, mesmo que os dois tenham papéis de destaque na sustentação do mesmo governo.

Então, em resumo, não adianta o candidato ou político copiar a narrativas e elementos de outro candidato. Cada político e cada público conta com comportamentos próprios e por isso, apesar de poder se inspirar em casos de sucesso, simplesmente, copiar não funciona.

Com base em conceitos técnicos, crie sua própria narrativa e os próprios elementos que comporão sua comunicação, desde que ela seja contundente e gere identificação com um segmento.

Há espaço e públicos para todos os candidatos, ideologias e posicionamentos. Em especial, na disputa para um cargo no Legislativo, há público para tudo.

Monte um planejamento estratégico, seja verdadeiro, coerente e faça com que o público identificado se identifique com o candidato. Um cópia é só uma cópia e as pessoas vão preferir o original, ainda mais pelo mesmo preço de um voto.

3) Likes nas redes não são votos para os políticos

Apesar da reputação nas redes ser importante para uma candidatura, ela não significa votos. Se reparar no ranking, o terceiro candidato mais votado a deputado federal de São Paulo em 2018, Celso Russomanno não está entre 20 mais influentes da rede. Teve mais de 500 mil votos.

Carla Zambelli que foi apenas a 57ª deputada federal mais votada de São Paulo, com apenas 76 mil votos, é a quarta deste ranking.

David Miranda (PSOL), que era suplente de Jean Willys e teve 17 mil votos, está na 20ª colocação dos mais influentes nas redes sociais.

Por isso, tão importante quanto fazer um bom Marketing Político Digital e atuar de forma competente nas redes, um bom candidato deve fazer política, fechar acordos, apoios e ir para a rua.

Likes não são votos. Marketing Digital não é a única forma de fazer campanha.

Leia outros artigos sobre marketing político para vereador e tenha ideias de marketing para campanha política

Como montar um discurso de vereador vencedor em 3 passos?

Como se eleger vereador em cidade pequena com 3 dicas

Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro no Facebook?

3 motivos para usar o WhatsApp Business na sua campanha

3 ideias de posts para fazer marketing político no Facebook

Como ganhar uma eleição com pouco dinheiro com 6 aplicativos?

3 ideias de marketing para campanha política no Instagram

3 ferramentas Google para ganhar uma eleição com pouco dinheiro?

2 dicas de Marketing Político candidatos de oposição e de situação nas eleições de 2020

5 erros do papel do vereador no marketing político da campanha

5 dicas para fazer um planejamento estratégico para campanha política

A eleição de 2020 já começou e você não percebeu

Como encontrar eleitores para a campanha de vereador

Marketing Político nas redes sociais: como criar e gerenciar páginas de candidatos?

Marketing Político: melhores posts para candidatos nas redes sociais

Quais são os melhores cursos de marketing político do Brasil?

Qual a diferença entre marketing político e marketing eleitoral?

Conheça os melhores profissionais do marketing político do Brasil

Marketing Político e Marketing Eleitoral: Qual a diferença?

Marketing Político no WhatsApp: como se comunicar com os eleitores?

Sobre Lucas Pimenta 37 Artigos
Lucas Pimenta é jornalista formado pela Universidade Anhembi Morumbi e com especialização em Marketing Político e Campanhas Eleitorais pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Trabalha na Câmara Municipal de São Paulo, atuou ainda na Secretaria Executiva de Comunicação da Prefeitura de São Paulo e na Secretaria Estadual da Segurança Pública de São Paulo. Foi repórter ainda em jornais como Metrô News, Folha Metropolitana e Agora São Paulo.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Como ganhar uma eleição para vereador com pouco dinheiro?
  2. Como impulsionar publicação no Facebook e ganhar eleição com pouco?

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*